Genocide Image andrea pollio Twitter scale

Eurovisão: manifestações de massas face à hipocrisia imperialista 

Artigo de Karl Kjellin e Ylva Vinberg 

O Festival Eurovisão da Canção arrancou a 7 de maio, em Malmo, na Suécia, ao mesmo tempo que Israel lançava o ataque a Rafa, onde vivem atualmente mais de 1,5 milhões de refugiados palestinianos. Numa poderosa demonstração de solidariedade, a cidade de Malmo respondeu com uma das maiores manifestações a que a Suécia assistiu em décadas. 

[Publicado originalmente em sueco na marxist.se

O ambiente em Malmo não era de celebração – parecia mais uma cidade sitiada, com mais polícia do que turistas nas ruas. Ao longo da chamada “rua da Eurovisão”, bandeiras palestinianas penduradas nas janelas. Ruas e muros foram cobertos com mensagens pró-palestinas, apesar dos frenéticos esforços de limpeza do município. 

Os organizadores fizeram o possível para proibir qualquer evidência de apoio à Palestina dentro da arena, mas falharam miseravelmente. Durante o ato de abertura das meias-finais, o artista sueco Eric Saade (um ex-concorrente cujo pai é palestiniano do Líbano) usou um keffiyeh no pulso, que foi condenado tanto pela emissora nacional sueca SVT como pela EBU [European Broadcating Union] como indo contra a “natureza não-política do concurso”. 

A hipocrisia foi respondida pelo próprio Saade: “A meu ver, é só racismo. Eu só queria ser inclusiva e usar algo que fosse autêntico para mim – mas a EBU parece pensar que a minha etnia é controversa. Não diz nada sobre mim, mas tudo sobre eles.” 

Ele também comentou sobre a hipocrisia por detrás da proibição de bandeiras e símbolos palestinos no seu story do Instagram

A forma como a EBU lidou com a Eurovisão é vergonhosa. Eles não permitem nenhum símbolo palestino na arena, enquanto símbolos que representam todos os outros grupos étnicos do mundo são bem-vindos. O seu slogan “unidos pela música” (se não for palestiniano) já é uma piada. Transmitindo propaganda israelita em horário nobre para todo o mundo, mas focando-se na proibição da bandeira palestiniana?” 

Desde que ficou claro que Israel seria autorizado a participar, e com uma canção adaptada de uma composição especificamente sobre o 7 de outubro (‘Hurricane’, originalmente ‘October Rain’), a raiva contra a Eurovisão foi em crescendo. Quanto mais representantes da UER ou da SVT tentaram explicar por que razão era razoável proibir a Rússia de participar, mas não Israel, mais a sua hipocrisia se destacou. 

Quase 20% dos artistas inscritos, incluindo Medina, Dotter, Titiyo e Magnus Carlsson, desistiram em protesto. 10% de todos os voluntários se recusaram a trabalhar. Até o local Moriska Paviljongen e o Malmö Pride se retiraram das colaborações em torno da Eurovisão, assim como o porta-voz do júri da Noruega e da Finlândia. 

O francês Slimane e o irlandês Bambie Thug também mostraram seu apoio à Palestina durante o ensaio. Há também a curiosa história de Joost Klein, dos Países Baixos. Durante uma ronda de imprensa, ele interrompeu uma pergunta dirigida à israelita Eden Golan e depois recusou-se a posar para uma foto com a artista. O problema de Joost Klein foi resolvido poucas horas antes da final, quando ele se tornou o primeiro cantor a ser desclassificado da competição, com a desculpa de que se havia envolvido em “comportamento ameaçador” contra um operador de câmara. 

Durante a final, o apoio proibido à Palestina estava constantemente em evidência com fortes vaias (claramente audíveis na transmissão ao vivo) contra Eden Golan e o diretor da Eurovisão, Martin Österdahl. Na Bélgica, o canal de serviço público flamengo foi interrompido pelo sindicato ACOD-VRT, que transmitiu uma mensagem dizendo: “Condenamos as violações dos direitos humanos pelo Estado de Israel. Além disso, o Estado de Israel está a destruir a liberdade de imprensa. É por isso que pausamos o vídeo por um momento. #CeaseFireNow #StopGenocideNow.” 

O espetáculo em si tornou-se mais numa prova do apoio cada vez mais determinado à Palestina. 

Maiores manifestações palestinianas na Suécia 

Manifestações e protestos ocorreram durante todo o evento. Na quinta-feira e no sábado, grandes marchas de protesto foram organizadas pela campanha Stop Israel – For Peace and a Free Palestine, apoiada por 66 organizações, incluindo o RKP (Partido Comunista Revolucionário, secção sueca da TMI). Estimamos que houve entre 15.000 e 20.000 pessoas presentes nas marchas de quinta-feira e sábado, e podemos dizer com segurança que estas foram algumas das maiores manifestações em muito tempo e, certamente, as maiores manifestações pela Palestina organizadas na Suécia desde outubro. 

Protestos espontâneos também eclodiram em torno da arena da Eurovisão e da chamada “Eurovision Village” no Folkets Park. Na quinta-feira, a manifestação no Folkets Park começou às 18h30 e continuou durante a noite. Na sexta-feira, começou já às 16h00 com a inauguração da rotunda de Gaza, onde ativistas pintaram graffiti em solidariedade com a Palestina, prolongando-se também até depois da meia-noite. Os manifestantes tomaram rua após rua, com uma presença policial maciça tentando desesperadamente acompanhar o protesto. Motoristas que ficaram presos no meio das manifestações buzinaram entusiasticamente em apoio. 

O clima nas manifestações era muito radical. Palavras de ordem como “Viva a Palestina”, “O povo unido nunca será derrotado” e “Intifada, revolução – pare, pare a ocupação” ecoaram pelas ruas. Todos com quem falámos concordaram com a nossa mensagem: precisamos de uma revolução na Suécia e em todo o mundo para esmagar o imperialismo. O jornal Revolução do RKP, com a primeira página “Palestina Livre – Esmagar o Imperialismo – Por um Médio Oriente Socialista – Por um Mundo Socialista”, foi recebido com uma resposta entusiástica. Vendemos centenas de jornais e dezenas inscreveram-se para se juntarem ao partido. Isso sem dúvida irritou a direita, com a editora de política do Kristianstadsbladet, Sofia Nerbrand, entre outros, tuitando sobre as “visões extremas” exibidas nas manifestações com um vídeo de nosso contingente. 

Apesar das preocupações generalizadas de uma repressão, especialmente dado o histórico de abusos racistas por parte da polícia de Malmo, não houve grandes surtos de violência. É claro que a polícia recebeu ordens para não interferir nas grandes manifestações na cidade, ao mesmo tempo que foi extremamente pesada com os poucos manifestantes que se dirigiram à arena. Lá, os manifestantes foram pulverizados com pimenta e presos arbitrariamente. A tática era óbvia: ir atrás dos ativistas palestinianos mais radicais quando eles estavam isolados das massas, mas evitar cenas como as de Limhamn 2014, com cavalos e carros de polícia correndo contra grandes multidões. 

A maioria não apoia Israel 

Os meios de comunicação social estão agora a tentar fazer um grande alarido com o facto de Israel ter recebido o segundo maior número de votos do público – com os telespectadores suecos a dar-lhes a pontuação mais alta. Alguns meios de comunicação israelitas e pró-Israel tentaram usar isto como prova de que “o povo” apoia Israel. Mas, como admite o Times of Israel este foi obviamente o resultado de um “esforço organizado e dedicado dos apoiantes de Israel para dar os seus votos a Golã”, sendo “muito mais fácil votar a favor de um país do que contra”. Enquanto sionistas e outros direitistas se mobilizavam por Golã, muitos simpatizantes da Palestina simplesmente boicotaram a disputa porque não havia uma única alternativa “pró-Palestina”. 

Para uma imagem mais precisa, podemos olhar para os resultados da pesquisa YouGov de abril de 2024, que descobriu que 46% dos suecos concordam com a afirmação de que Israel está cometendo genocídio em Gaza, enquanto apenas 26% discordam. 50% apoiam um embargo de armas a Israel (com 23% contra), 49% acham que as autoridades israelitas devem ser processadas por crimes de guerra (com 25% contra) e 41% apoiam sanções económicas contra Israel (com 31% contra). Isto mostra o verdadeiro estado de espírito da população sueca, onde existe uma forte oposição às políticas brutais de Israel, especialmente entre os jovens e as pessoas de origem não europeia. 

O verdadeiro equilíbrio de forças também pode ser visto no fato de que a manifestação sionista de quinta-feira atraiu apenas 120 pessoas, protegidas por uma presença policial maciça, em comparação com as dezenas de milhares que se reuniram ao longo de vários dias pela Palestina. 

Cada vez mais pessoas veem através da propaganda. Isso talvez se reflita melhor na onda de ocupações universitárias que varreu o mundo no último mês – e que também começou a se conectar com as camadas mais radicais da classe trabalhadora. 

Com isso em mente, os protestos em Malmo deveriam ter sido ainda maiores. Um fator limitante foi o alarmismo da polícia, políticos e meios de comunicação nos meses que antecederam a Eurovisão, com especulações sobre os riscos de ataques terroristas dentro do estádio, confrontos violentos entre sionistas e manifestantes pró-palestinos, entre outros. 

Mas é também uma questão de falta de mobilização. Nenhum cartaz foi colocado antes das manifestações. Para quem não sabia quais contas de redes sociais verificar, era impossível descobrir quando as manifestações ocorreriam. A principal responsabilidade por isso recai sobre os representantes do movimento operário. Ou por ficarem do lado de Israel (os sociais-democratas), por permanecerem à margem do movimento (o Partido da Esquerda) ou permanecerem completamente em silêncio (os sindicatos), o que significou que não houve organizações com capacidade para o tipo de mobilização em larga escala que seria necessária. 

Próximo passo para o movimento palestiniano 

A pergunta que muitos fazem agora é: qual é o próximo passo? Cada vez mais, ouvimos palavras de ordem sobre a necessidade de escalar nas manifestações. Isto é absolutamente correto – mas seria um erro se resultasse apenas em ações diretas isoladas por parte de alguns ativistas. Precisamos “sacudir o status quo”, como dizem as pessoas, mas precisamos fazê-lo de uma forma que se conecte e mobilize a classe trabalhadora, que é quem tem o poder de cortar o apoio do imperialismo ocidental a Israel. 

Em 30 de abril, o Sindicato dos Estivadores publicou uma carta aberta ao governo exigindo que suspendesse “toda a cooperação militar e comércio com as Forças de Defesa de Israel e a indústria de defesa”. Mas os estivadores não devem esperar que o governo de direita pró-israelita de Ulf Kristersson atue. Em vez disso, deveriam seguir o exemplo dos estivadores de Barcelona e impor o bloqueio por conta própria. 

Os estivadores suecos também têm um historial de ação militante. Em 2010, eles impuseram um bloqueio a todos os produtos israelitas depois que Israel atacou navios que deveriam quebrar o bloqueio de Gaza. Como salienta o sindicato dos estivadores na sua carta, empresas sediadas na Suécia como a Aimpoint, a SAAB, a Hägglunds e a Micropol têm uma parceria com a indústria de defesa israelita e os militares suecos compram milhares de milhões de dólares em equipamento militar à Elbit, um dos maiores fabricantes de armas de Israel. Os estivadores podem parar com isso, sem esperar que sionistas do governo como Ebba Bush ou Johan Pehrson mudem de ideia após meses de apoio aberto à guerra de Israel. 

O facto de muitas das manifestações se terem tornado menores esta primavera não significa que o apoio à Palestina esteja a diminuir – pelo contrário. Cada vez mais pessoas apoiam a Palestina, como também mostram a pesquisa YouGov e o desastre da Eurovisão. Quanto mais Israel escalar a guerra em Gaza, mais a raiva contra eles aumentará em toda a classe trabalhadora. Mas para realmente escalar o movimento, são necessários outros métodos além de apenas convocar manifestações espontâneas. Exige uma mobilização mais cuidadosa e que nós, com as lições do movimento estudantil nos EUA, levemos o movimento para as escolas, universidades e locais de trabalho. Os acampamentos montados fora de algumas das maiores universidades podem tornar-se um primeiro passo importante. 

Não são os políticos pró-israelitas na Suécia, nos EUA ou no Reino Unido, nem a ONU ou o Tribunal Internacional de Justiça em Haia que vão parar a máquina de guerra israelita. É a classe trabalhadora. Nós, no Partido Comunista Revolucionário, juntamente com os nossos camaradas da Internacional Comunista Revolucionária, continuaremos a participar neste movimento e a explicar a necessidade da luta de classes contra a guerra e a opressão do imperialismo. A classe trabalhadora tem o poder não só de cortar a ajuda económica a Israel, mas também de abolir o sistema capitalista que dá origem à guerra, à opressão e à pobreza. Essa é a escalada que é necessária. 

Spread the love

About Karl Kjellin e Ylva Vinberg 

Check Also

Netanyahu gambles Image own work

Parar o ataque a Rafah! Combater o imperialismo em casa! 

Declaração da Tendência Marxista Internacional  O ataque há muito planeado contra Rafah já começou. Na …

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial