palestina2 1024x816 1

Declaração da Tendência Marxista Internacional: Defender Gaza! Abaixo o imperialismo!

 

Esta declaração da Tendência Marxista Internacional declara a nossa solidariedade para com o povo palestiniano. Responde também à repugnante hipocrisia do imperialismo ocidental e dos seus lacaios, que se mobilizam em torno do Estado reacionário israelita enquanto este desencadeia uma vingança sangrenta em Gaza, na sequência do ataque surpresa do Hamas em 7 de outubro. Além disso, explicamos por que razão a liberdade para a Palestina só pode ser alcançada através de meios revolucionários e do derrube do capitalismo em toda a região. 

O ataque relâmpago, lançado pelo Hamas no sábado, 7 de outubro, causou ondas de choque em todo o mundo. Foi imediatamente recebida por um forte coro de condenação por parte dos governos ocidentais. 

O ataque foi imediatamente apresentado nos termos mais angustiantes pelos média. A opinião pública ocidental foi minuciosamente preparada pelo que é comicamente descrito como a nossa “imprensa livre” para tomar partido no conflito que, como de costume, é descrito como as Forças do Bem contra as Forças do Mal. 

Nesta comédia macabra de enganos, os papéis são convenientemente invertidos. As vítimas tornam-se os agressores, e os agressores tornam-se as vítimas. Esta mentira é apoiada por um fluxo constante de condenações morais da violência, do assassínio e de todos os outros atributos atrozes do terrorismo. 

Em Washington, segundo o New York Times, o Presidente Biden “enraiveceu-se” ao caracterizar os atos como “puro mal”, e prometeu inequivocamente estar ao lado de Israel contra o terrorismo. 

O presidente do Estado mais rico e poderoso do mundo não perdeu tempo em anunciar que os EUA vão acelerar a entrega de equipamentos, recursos e munições adicionais a Israel, bem como enviar o seu mais novo e avançado porta-aviões, juntamente com um grupo de ataque de porta-aviões completo, para o Mediterrâneo Oriental. 

Hipócritas imperialistas, ou a relatividade da moral 

O assassinato de homens e mulheres é algo que naturalmente evoca sentimentos de repugnância na maioria das pessoas. Somos constantemente lembrados do mandamento bíblico: “não matarás”. 

Este mandamento, à primeira vista, tem um carácter absoluto. No entanto, se examinarmos mais de perto, torna-se claro que a aversão da classe dominante e dos meios de comunicação social à violência e ao assassínio não é de todo absoluta, mas tem um conteúdo inteiramente relativo. 

Quando homens e mulheres comuns expressam o seu horror e indignação perante as atrocidades que leem na imprensa, essa é uma reação humana normal que podemos compreender e simpatizar. 

Mas quando as mesmas palavras são proferidas por um presidente americano, cujas mãos estão manchadas com o sangue de inúmeras pessoas inocentes, só podemos encolher os ombros e virar as costas com nojo. 

Os imperialistas que fingem estar chocados com a violência lançaram repetidamente ignóbeis guerras de agressão. Não hesitaram em desencadear guerras sangrentas contra o Iraque e o Afeganistão que duraram duas décadas, nas quais centenas de milhares de civis foram mortos. Bombardearam a Líbia, a Síria, o Sudão e a Sérvia, sem qualquer consideração por civis inocentes. 

O caso mais atroz de todos, nos últimos tempos, foi a guerra bárbara contra o povo do Iémen, um dos países mais pobres do planeta, travada pela Arábia Saudita com o total apoio, cumplicidade e participação ativa dos EUA, Grã-Bretanha e outras potências imperialistas. 

Se alguma guerra pode ser descrita como genocida, o Iémen certamente foi. De acordo com a ONU, mais de 150.000 pessoas foram mortas no Iémen, bem como estimativas de mais de 227.000 mortos como resultado de uma terrível fome deliberadamente criada pelos sauditas e os seus aliados, que também foram responsáveis pela destruição de hospitais e instalações de saúde. 

Estes números representam, sem dúvida, uma grave subestimação do número total de vítimas infligidas ao povo do Iémen pelos sauditas e pelos seus apoiantes imperialistas. 

Mas onde estavam as condenações dessa barbárie? Onde estavam os protestos de Washington e Londres? Onde estavam as manchetes gigantes gritando sobre “terrorismo”? Ficaram em silêncio, porque os governos ocidentais estavam ativamente envolvidos nesta guerra de extermínio contra um povo pobre e oprimido. 

Não têm o direito de se queixar de violência, nem de acusar quem quer que seja de “terrorismo”. Quando se trata de guerra, é inútil apelar a considerações morais ou humanitárias. As guerras têm a ver com matar pessoas. E nunca houve uma guerra humanitária na história. Trata-se apenas de uma frase cínica, uma conveniente folha de figueira, que hoje em dia é utilizada pelos agressores para justificar a sua agressão perante a opinião pública. 

Gaza e Ucrânia, ou a relatividade do “direito à autodefesa” 

Quanto ao chamado direito de Israel a defender-se, mais uma vez vemos aqui os dois pesos e duas medidas do imperialismo ocidental. Quando se trata da Ucrânia, armaram-na até aos dentes para combater a Rússia em seu nome, sob a desculpa de que um povo sob ocupação tem o direito de ripostar. 

Mas quando se trata dos palestinianos, de repente este direito desaparece completamente. Em vez de defender os oprimidos, os imperialistas armam e abastecem os opressores. É evidente que o direito à autodeterminação não se aplica a todos! 

Aliás, seguindo a lógica distorcida do imperialismo, o Presidente ucraniano Volodymyr Zelensky comparou a invasão do seu país pela Rússia ao Hamas, e acrescentou a sua vozinha rouca ao coro que defende o “direito de Israel a defender-se“! Será que precisamos de mais alguma prova da natureza reacionária deste senhor? 

Previsivelmente, Zelensky acusou a Rússia de querer uma guerra no Médio Oriente para minar o apoio internacional à Ucrânia, em comentários que refletem a preocupação de que a guerra entre Israel e o Hamas possa desviar a atenção da luta de Kiev. 

A Rússia está interessada em desencadear uma guerra no Médio Oriente, para que uma nova fonte de dor e sofrimento possa minar a unidade mundial, aumentar a discórdia e as contradições e, assim, ajudar a Rússia a destruir a liberdade na Europa“, disse. 

Zelensky é um homem desesperado, que recorrerá a tudo o que achar que garantirá o fluxo de armas e dinheiro quando a Ucrânia sofreu uma derrota esmagadora no campo de batalha e há sinais claros de apoio vacilante entre aliados, incluindo os EUA, a Eslováquia e a Polónia. 

Vingança 

Uma vez aceite a teoria da relatividade como aplicada à moralidade, torna-se uma questão simples justificar o assassinato – desde que seja realizado pelo “nosso lado”. Vemos essa conveniente relatividade moral em ação agora. 

A resposta de Israel ao ataque do Hamas no sábado foi rápida e brutal. Benjamin Netanyahu declarou que Israel está em guerra. Prometeu reduzir Gaza a uma “ilha deserta”. 

Caças têm atacado a faixa ocupada, arrasando prédios altos em áreas residenciais, atingindo escolas, hospitais e mesquitas indiscriminadamente. 

Uma escola gerida pela Agência das Nações Unidas para os Refugiados Palestinianos, onde não havia “militantes”, foi diretamente atingida. E muitos blocos residenciais de apartamentos foram visados, sem aviso prévio. 

Israel continuou a martelar Gaza com ataques aéreos, reduzindo alguns edifícios a escombros. Autoridades em Gaza disseram que hospitais e escolas foram atingidos e que 900 palestinos já foram mortos, incluindo 260 crianças. 

Tudo isto não tem nada a ver com legítima defesa, mas tudo a ver com sede de vingança. Não é a primeira vez que o Estado israelita procura punir o povo de Gaza pelas ações dos seus líderes, visando deliberadamente civis. 

O ministro da Defesa israelita, Yoav Gallant, ordenou um “cerco completo” à Faixa de Gaza: “Ordenei um cerco completo à Faixa de Gaza. Não haverá eletricidade, nem comida, nem combustível, está tudo fechado.” 

Privar homens, mulheres e crianças de alimentos, água e eletricidade é suposto ser um crime ao abrigo do “direito internacional”. Mesmo as patéticas Nações Unidas acharam necessário recordar aos israelitas este pequeno pormenor, embora os resultados deste lembrete educado fossem previsivelmente nulos. 

“Animais humanos” 

E como justificam tudo isto? Muito simplesmente. O ministro da Defesa de Israel, Yoav Gallant, deixou as coisas claras quando disse: “Estamos a combater animais humanos e estamos a agir em conformidade“. 

Esta linguagem é bem conhecida por nós. É prática comum dos imperialistas justificar o massacre desumanizando o inimigo. Se aceitarmos que nossos inimigos não são humanos como nós, mas apenas animais, sentimo-nos no direito de tratá-los da maneira que quisermos. 

Lembremo-nos que, durante décadas, os judeus foram considerados não como pessoas, mas como seres sub-humanos. Isso significava que eles poderiam ser espancados, torturados, famintos e assassinados – e quem se importaria? Afinal, eram “apenas animais”, ou “animais humanos” – a diferença é puramente semântica. 

Mas os habitantes da Faixa de Gaza não são animais. São seres humanos, tal como os habitantes de Israel são seres humanos. E todos os seres humanos têm direito a ser tratados da mesma forma. 

Um coro de hipócritas 

Como num coro uníssono bem planeado, líderes políticos de todo o mundo atropelaram-se na pressa de declarar o seu apoio incondicional ao “direito de Israel a defender-se”. Direita e “esquerda”, republicanos e democratas – todos cantam alto do mesmo livro de hinos bem gasto. 

Os mesmos meios de comunicação que permaneceram em silêncio sobre os crimes do imperialismo também foram altamente negligentes ao noticiar o terror criminoso infligido aos palestinos pelo Estado israelita pelas já muitas décadas. Foram vítimas de constantes provocações violentas por parte dos colonos judeus de extrema-direita. 

Evidentemente, isso destina-se a fornecer suporte material para o direito de Israel de “se defender”, pulverizando uma pequena faixa de terra cheia a transbordar, com dois milhões e meio de pobres. Gaza tem sido descrita como a maior prisão ao ar livre do mundo. 

Todo o campo imperialista apoia Israel enquanto este se move para massacrar os palestinianos em Gaza. E caso as bombas, projéteis de artilharia e mísseis não matem um número suficientemente grande de palestinianos, a União Europeia planeia eliminar mais alguns por inanição. A UE anunciou a suspensão da ajuda financeira aos palestinianos, dos quais dependem fortemente para a sua sobrevivência. A decisão foi tão escandalosa que mais tarde foi revertida. 

Aqui vemos resumida em poucas linhas a essência destilada do que se apresenta como “civilização ocidental”. 

Não surpreende que líderes “trabalhistas” de direita como Sir Keir Starmer, na Grã-Bretanha, tenham imediatamente acrescentado as suas vozes estridentes a este coro hipócrita. Estas senhoras e estes senhores venderam as suas almas ao Diabo há muito tempo. Nada mais são do que agentes do imperialismo. 

Mas os reformistas de direita não são os únicos culpados. Para sua vergonha, muitos reformistas de “esquerda” juntaram-se à condenação (Sanders, Ilhan Omar, AOC, o Partido “Comunista” francês, entre outros). 

Não é a primeira vez que estas ditas esquerdas mostram a sua total cobardia e falta de princípios. Eles cederam imediatamente sob a pressão dos meios de comunicação de massa capitalistas e da opinião pública burguesa e acabam atrelados à política da classe dominante. 

A Tendência Marxista Internacional não se juntará ao coro hipócrita dos imperialistas e dos seus carrascos. 

Em que ponto nos encontramos? 

Em todas as guerras, as partes beligerantes recorrem sempre a histórias de atrocidades – reais ou inventadas – para justificar os seus próprios atos de violência e assassínio. A atitude dos comunistas em relação à guerra nunca pode basear-se numa propaganda sensacionalista que é usada cinicamente para justificar um lado ou outro. Também não se justifica uma guerra com base na questão de quem atacou primeiro. A nossa atitude em relação à guerra deve assentar noutros fundamentos. 

A nossa posição é muito simples: 

Em todas as lutas, estaremos sempre ao lado dos pobres oprimidos, nunca dos ricos e poderosos opressores. 

No caso concreto, impõe-se a pergunta: quem são os opressores e quem são os oprimidos? São os palestinianos que estão a oprimir os israelitas? Ninguém em sã consciência acredita nisso. 

Não são os palestinianos que estão a ocupar terras que não lhes pertencem e a detê-las pela força. Não são eles que têm expulsado colonos israelitas de terras que foram ocupadas por eles durante gerações, mas precisamente o contrário. 

Não são eles que negam aos cidadãos israelitas os direitos mais elementares, ou que os submetem a bloqueios brutais e os reduzem a párias na sua própria terra. 

Será necessário recitar a longa lista de crimes cometidos pelo Estado reacionário israelita contra os palestinianos? 

Não temos espaço para mencionar estes crimes, que continuam, dia após dia, mês após mês e ano após ano, a transformar a vida dos palestinianos num inferno. 

Os palestinianos foram reduzidos a um estatuto não muito diferente de uma espécie de escravatura. E os escravos, quando privados de qualquer outro direito, só podem recorrer ao único direito que permanece: o direito à revolta. 

Ao longo da história, as revoltas de escravos eram geralmente acompanhadas de atos de extrema violência, que eram apenas um reflexo da extrema opressão que eles próprios haviam sofrido nas mãos dos proprietários de escravos. 

Trata-se de um facto lamentável. Mas não nos isenta da obrigação de defender a revolta dos escravos contra os senhores de escravos. Marx tratou dessa questão num artigo escrito em 1857, no qual responde aos artigos da imprensa britânica que enfatizavam as atrocidades cometidas durante a revolta indiana contra os britânicos: 

Os ultrajes cometidos pelos Sepoys revoltados, na Índia, são de facto terríveis, hediondos, inefáveis – como se está disposto a encontrar – apenas em guerras de insurreição, de nacionalidades, de raças e, sobretudo, de religião; numa palavra, como a respeitável Inglaterra costumava aplaudir quando perpetrada pela Vendeia nos “Blues”, pelos guerrilheiros espanhóis sobre os franceses infiéis, pelos sérvios sobre os seus vizinhos alemães e húngaros, pelos croatas sobre os rebeldes vienenses, pela Garde Mobile de Cavaignac ou pelos Decembristas de Bonaparte sobre os filhos e filhas da França proletária. 

“Por mais infame que seja a conduta dos Cipaios, ela é apenas o reflexo, de forma concentrada, da própria conduta da Inglaterra na Índia, não apenas durante a época da fundação de seu Império Oriental, mas mesmo durante os últimos dez anos de uma regra há muito estabelecida. (…) Há algo na história humana como a retribuição: e é uma regra de retribuição histórica que o seu instrumento seja forjado não pelo ofendido, mas pelo próprio infrator.K. Marx, A Revolta dos Índios 

Apoiamos o Hamas? 

Os nossos inimigos dirão: então vocês apoiam o Hamas. A esta acusação responderemos: nunca apoiámos o Hamas. Não partilhamos a sua ideologia, nem toleramos os métodos que utiliza. 

Somos comunistas e temos ideias, programas e métodos próprios, baseados na luta de classes entre ricos e pobres, opressores e oprimidos. É isso que determina a nossa atitude em todos os casos. 

Mas as nossas diferenças com o Hamas, embora fundamentais, não são tão fundamentais como as diferenças que nos separam do imperialismo norte-americano – a força mais reacionária do planeta – e dos seus cúmplices no crime, a classe dominante israelita. 

Os nossos críticos perguntarão: concordam então com a morte de tantos civis inocentes? Responderemos que nunca defendemos tais coisas. Também não os toleramos. 

A nossa primeira tarefa, citando Espinosa, não é chorar nem rir, mas compreender. Considerações morais são totalmente inúteis para explicar qualquer coisa. Para compreender o que está a acontecer, é necessário colocar a questão de uma forma diferente: o que levou ao ataque do Hamas? 

Pode ser separada das décadas de opressão, violência e ocupação da Palestina pelo Estado reacionário de Israel? Claro que não. 

Israel é um Estado poderoso e rico que há décadas desapropria e oprime os palestinianos através de uma combinação de força bruta e músculo económico. 

E temos também de ver a cadeia de acontecimentos que conduziram diretamente à situação atual. Não caiu de um céu azul claro, como nos pedem para acreditar. 

Traição 

Os imperialistas prometeram justiça aos palestinianos – se ao menos esperassem um pouco mais. Mas esperaram e esperaram e o único resultado foi mais destruição da sua pátria e mais perda de direitos. 

Quando a paciência dos oprimidos se esgotar, mais cedo ou mais tarde, eles atacarão o seu opressor. Nesses momentos, os excessos e a brutalidade serão inevitavelmente cometidos. Isso é, naturalmente, de lamentar. Mas quem é realmente responsável? 

Se um homem ou uma mulher comete um homicídio a sangue frio, isso é indubitavelmente um crime e é punido como tal. 

Mas se uma mulher é submetida à brutalidade selvagem por muitos anos pelo seu marido e um dia se volta contra o seu algoz e o mata, a maioria das pessoas diria que a circunstância que levou às suas ações deveria ser levada em conta. 

Voltemos ao presente caso. Nas semanas que antecederam a explosão, constantes provocações foram perpetradas por fanáticos religiosos judeus. Eles invadiram até o complexo da mesquita de Al-Aqsa – um dos lugares mais sagrados do mundo islâmico. E eles agiam sob proteção policial e militar. 

Provocação 

Netanyahu está numa aliança com partidos da extrema-direita sionista, alguns dos quais são abertamente fascistas. O seu objetivo declarado é provocar uma nova Nakba – ou seja, retirar fisicamente os palestinianos da terra em que vivem atualmente, a começar por Jerusalém e pela Cisjordânia. 

Esta política não é nova, mas intensificou-se nos últimos meses. Os colonos, importados principalmente dos EUA e recrutados entre os fundamentalistas religiosos mais extremistas, construíram colonatos na Cisjordânia. 

Estes estão ligados por uma rede de estradas militarmente defendidas, que dissecam o território formalmente sob o controlo do território palestiniano. 

Os colonos reacionários sentem-se encorajados e protegidos pelo governo ultranacionalista israelita. 

Gangues armadas de colonos fanáticos religiosos têm conduzido pogroms contra palestinianos com o apoio aberto ou encoberto do exército e da polícia israelita. Estas apropriações de terras são supostamente ilegais ao abrigo do “direito internacional”. Mas todas as resoluções piedosas aprovadas pela ONU num ritual sem sentido nada fizeram para impedir estes atos criminosos. 

Nestas condições, ninguém pode realmente ficar surpreendido com o facto de os palestinianos estarem a reagir. As pessoas oprimidas têm o direito de resistir. 

Os hipócritas argumentarão que ambos os lados são culpados porque ambos usaram a violência. Formalmente, esta afirmação é verdadeira. Mas o seu conteúdo é fundamentalmente falso. A violência de um não pode ser equiparada à violência do outro. Não há absolutamente nenhuma equivalência entre os dois lados

Por um lado, temos um moderno país capitalista avançado, equipado com armas nucleares, caças armados com poderosos mísseis, tecnologia avançada e equipamentos de vigilância, que conta com todo o apoio material e financeiro do país imperialista mais poderoso do mundo. 

Por outro lado, temos os palestinianos oprimidos, a lutar com todas as armas em que possam pôr as mãos 

Ser surpreendido pelos acontecimentos recentes é, na verdade, extremamente tolo. Nestas circunstâncias, algum tipo de explosão era absolutamente inevitável, embora o tempo e o conteúdo da mesma não pudessem ser previstos – nem mesmo pelos serviços secretos israelitas. 

Israel humilhado 

É necessário abordar a guerra nos seus próprios termos, e não introduzir considerações estranhas que lhe são completamente estranhas. O que causou fúria na classe dominante israelita não foi a quantidade de pessoas que perderam a vida. As suas preocupações são puramente de natureza prática. 

Do ponto de vista meramente militar, o ataque foi um sucesso. A inesperada Blitzkrieg apanhou os tão apregoados serviços secretos israelitas completamente de surpresa. Grupos bem armados de comandos penetraram nas defesas de Israel, rompendo o que deveria ser uma linha inexpugnável e infligindo graves perdas às forças israelitas. 

Quando isso se tornou conhecido, causou uma onda de pânico e medo em Israel, onde a população tinha sido embalada pelas autoridades na crença de que estava protegida por uma linha de defesa invulnerável. Da noite para o dia, a fé das pessoas no mito da invulnerabilidade foi quebrada. Este facto terá consequências incalculáveis para o futuro. 

Em contrapartida, a notícia do ataque foi celebrada nas ruas de muitas capitais árabes. As massas sentiram-se encorajadas pelo facto de, finalmente, o poderoso Estado israelita ter sofrido uma derrota humilhante. Em comparação com este facto, todas as outras considerações parecem ser de importância secundária. 

Netanyahu sente-se extremamente confiante porque tem o firme apoio do imperialismo norte-americano, que fornece a Israel quantidades intermináveis de dólares e armas mortais. 

Os americanos transferiram a sua embaixada para Jerusalém – uma bofetada na cara de todos os palestinianos. O presidente Trump tomou essa decisão provocadora. Mas o presidente Biden não reverteu isso. Ele está ansioso para garantir o voto judeu nas eleições do próximo ano, bem como manter um de seus poucos aliados inabaláveis na região. 

Pacífica ou violenta? 

Os nossos inimigos confrontam-nos muitas vezes com a pergunta: são a favor da violência? Poderiam perguntar-nos se somos a favor da peste bubónica, uma vez que essa pergunta é igualmente vazia de conteúdo real. 

Há perguntas que se respondem a si próprias, e estas são precisamente desse tipo. Mas apenas responder negativamente é completamente inútil. Seria preciso explicar as circunstâncias concretas em que a violência é empregada: com que finalidade? E no interesse de quem? Sem essa informação, é realmente impossível dar uma resposta precisa. É o que acontece em todos os conflitos, e é também o caso agora. 

Muitos na “esquerda” (como sempre) limitam-se a condenar a violência em geral, apelando a “uma solução pacífica” através de “negociações” e da intervenção de “instituições internacionais”. Mas isto é uma mentira e um engano. 

Durante 75 anos, houve negociações e conversações intermináveis e isso não fez avançar nem um centímetro a causa da liberdade palestiniana. Durante décadas, as chamadas Nações Unidas aprovaram resoluções condenando a ocupação israelita dos territórios palestinianos em 1967, mas nada mudou. De facto, a situação agravou-se bastante. 

A atual escalada do conflito é, na verdade, o resultado do fracasso total dos Acordos de Oslo. A ideia de estabelecer um Estado palestiniano ao lado de Israel numa base capitalista estava condenada ao fracasso, como alertámos na altura. 

O objetivo de Israel era externalizar o policiamento dos palestinianos para a Autoridade Nacional Palestiniana, liderada por nacionalistas burgueses da Fatah completamente desmoralizados e organicamente incapazes de levar por diante a luta de libertação nacional palestiniana. 

Os últimos 30 anos revelaram o abjeto fracasso da solução de dois Estados imposta pelo imperialismo norte-americano e pelo capitalismo israelita aos palestinianos. 

Não admira que, numa recente sondagem de opinião, 61% dos palestinianos tenham afirmado que estavam em pior situação do que antes de Oslo e 71% tenham afirmado que tinha sido um erro assinar o acordo. 

Apesar disso, os pacifistas de esquerda desesperados argumentam que os palestinos só devem usar meios pacíficos de luta. Mas quando tentaram fazer isso, qual foi o resultado? 

O protesto da marcha do regresso de 2018 foi realizado por civis desarmados. O exército israelita usou munições reais matando centenas e ferindo mais de dez mil, incluindo crianças, mulheres, jornalistas e médicos. 

Foi precisamente isso que convenceu os palestinianos de que o único caminho a seguir é enfrentar a violência com violência. Podemos lamentar este facto, mas é a única conclusão possível que se pode esperar que os palestinianos tirem. E isso é 100% da responsabilidade do Estado israelita e dos seus apoiantes imperialistas. 

De acordo com a mesma sondagem, 71% acreditam que uma solução de dois Estados já não é prática devido à expansão dos colonatos, 52% apoiam a dissolução da AP e 53% acham que a luta armada é a única forma de sair do impasse. 

Planos imperialistas em ruínas 

Antes dos acontecimentos de 7 de outubro, estava em curso um chamado processo de normalização: o que basicamente significaria que Israel estabeleceria relações diplomáticas e económicas normais com os países árabes (nomeadamente a Arábia Saudita), e consequentemente, o problema palestiniano seria declarado encerrado. 

Isso foi destacado pela intervenção de Netanyahu na Assembleia Geral da ONU em setembro, onde mostrou um mapa da região mostrando Israel e os países com os quais estava normalizando as relações. mas Israel no mapa incluía os Montes Golã, Gaza e a Cisjordânia, deixando a Palestina completamente fora de cena! 

Este cinismo flagrante mostrou a atitude insensível, não só de Netanyahu e do seu bando reacionário, mas também das chamadas democracias imperialistas, que tratam as pequenas nações como uma pequena engrenagem nas suas maquinações. 

Este plano monstruoso deveria ser levado a cabo nas costas dos palestinianos. A sua própria existência é considerada um inconveniente irritante. As suas queixas constantes poderiam ser ignoradas com segurança, enquanto a desagradável, mas necessária, tarefa de mantê-las em ordem seria confiada às botas cardadas das forças armadas israelitas. 

Essa era a teoria. Mas a vida tem o infeliz hábito de contradizer até mesmo a mais fina das teorias. E esta em particular tinha um buraco no centro: partia do princípio de que os palestinianos estavam tão acovardados, tão completamente esmagados, que não seriam capazes de travar uma verdadeira luta. Essa suposição foi estilhaçada no sábado, 7 de outubro. 

Várias fontes apontaram o dedo ao Irão. Apesar da negação de Teerão, isso pode ser verdade. A execução hábil do ataque e a forma como rapidamente penetrou nas fortes defesas de Israel mostraram um grau de profissionalismo que dificilmente pode ser obra do Hamas por si só. 

Além disso, o Irão tinha interesse no seu sucesso. O efeito imediato foi destruir o plano de Netanyahu de estabelecer relações estreitas com a Arábia Saudita. O bando reacionário de Riade estava disposto a vender os palestinianos, fechando um acordo com Israel. 

Mas esses planos – que foram naturalmente encorajados pelos Estados Unidos – foram destruídos. Mohammed bin Salman recusou-se terminantemente a juntar-se ao coro de apoio ao “direito de autodefesa” de Israel. Colocaria a própria monarquia em perigo se ousasse ir contra os sentimentos do povo saudita, que é fervoroso apoiante dos palestinianos. 

O The Guardian publicou um artigo, intitulado: “O ataque do Hamas alterou abruptamente o quadro da diplomacia do Médio Oriente”. Estas palavras colocam a questão muito bem. Patrick Wintour, editor diplomático do Guardian, escreveu: 

“O Irão quer tornar impossível um acordo entre a Arábia Saudita e Israel, enquanto outros países na região não podem aceitar a mutilação de Gaza.” 

É verdade. Os líderes árabes não podem dar-se ao luxo de o fazer devido aos efeitos profundamente inquietantes que teria sobre as massas nos seus próprios países. A ameaça de uma revolta nas ruas está sempre presente nas mentes das camarilhas dominantes árabes, que não esqueceram a lição das revoltas de massas conhecidas como primavera Árabe. 

Isto é um pesadelo tanto para os governantes árabes como para Washington. Mas uma nova versão da Revolução Árabe é a única esperança de uma solução duradoura para a questão palestiniana. 

O povo oprimido da Palestina não deve confiar nas promessas de governos estrangeiros. O seu único interesse é fazer declarações vazias de apoio aos palestinianos e criar para si próprios uma imagem de solidariedade para com os oprimidos que é falsa até ao âmago. 

Escusado será dizer que as promessas dos imperialistas são totalmente inúteis, tal como o são as resoluções fictícias rotineiramente aprovadas pelas chamadas Nações Unidas. 

O povo palestiniano só pode libertar-se através dos seus próprios esforços. E os únicos aliados fiáveis com que podem contar são os trabalhadores e camponeses da região e de todo o mundo, que são oprimidos e explorados como eles próprios. 

Israel num caminho perigoso 

Há um outro fator que não pode ser ignorado. Enquanto o Estado israelita puder contar com o apoio da maioria da população judaica, será muito difícil conseguir o seu derrube. Só dividindo o Estado de Israel segundo linhas de classe é que esta será uma proposta viável. 

Nas atuais circunstâncias, esta parece ser uma variante improvável. Isto deve-se, em parte, às limitações extremas da ideologia e dos métodos do Hamas, que convence muitos cidadãos israelitas de que as suas vidas estão ameaçadas pelos “terroristas” palestinianos. 

Infelizmente, o recente ataque e a morte de civis convenceram muitos israelitas de que a única solução é unir-se ao governo. Isto foi encorajado pela conduta escandalosa da chamada oposição, que abandonou imediatamente todas as suas objeções às políticas reacionárias do Governo de Netanyahu e se apressou a oferecer a entrada num chamado governo de unidade nacional. Trata-se de uma linha de ação desastrosa. 

O povo de Israel deve colocar-se a seguinte questão: como é possível que, depois de tantos anos de conflito, de tantas guerras e de tantas vitórias militares, se sinta agora mais inseguro do que em qualquer outro momento desde a fundação do Estado de Israel? Todas as medidas elaboradas e alegadamente destinadas a garantir a sua segurança, na hora da verdade, não contaram para nada. 

É verdade que Israel, com a sua colossal força militar e poder de fogo superior, pode facilmente derrotar o Hamas em termos militares. No entanto, uma invasão terrestre de Gaza, com as suas ruas estreitas, uma miríade de túneis e uma população hostil e amargurada, não será concretizada sem uma grave perda de vidas de ambos os lados. E depois de Gaza ter sido reduzida a um monte de escombros, o que fazer então? Israel não tem forças suficientes para ocupar e manter uma população hostil de 2,3 milhões de pessoas por um período indefinido de tempo. Mais cedo ou mais tarde, novas explosões e derramamento de sangue ocorrerão. 

E as coisas não param por aí. A opressão dos palestinianos serve para inflamar os sentimentos em todo o mundo árabe. As tentativas de estabelecer relações com a Arábia Saudita estão agora em cinzas. Israel encontra-se agora mais isolado do que nunca. Cercado por milhões de inimigos de todos os lados, as perspectivas para Israel são realmente sombrias. E o recente banho de sangue constitui um sério aviso do pior que está para vir, a menos que algo fundamental mude em Israel. 

Marx assinalou há muito tempo que nenhuma nação pode ser livre enquanto oprime e subjuga outra nação: “É tarefa especial do Conselho Central de Londres fazer com que os trabalhadores ingleses percebam que, para eles, a emancipação nacional da Irlanda não é uma questão de justiça abstrata ou sentimento humanitário, mas a primeira condição de sua própria emancipação social.” (Marx a Sigfrid Meyer e August Vogt, 1870) 

Atualmente, a voz da razão em Israel está a ser silenciada pelo rugido voraz da contrarrevolução. Mas aqueles que defendem a união com as forças reacionárias de Netanyahu e os fanáticos ultra-religiosos, estão a empurrar Israel diretamente para o abismo. 

E agora? 

Durante muitos anos, as massas palestinianas demonstraram repetidamente a sua abnegação, coragem e vontade de lutar. O problema é que não tiveram uma liderança à altura da tarefa. 

Depois de tantas décadas de promessas não cumpridas, a paciência dos palestinianos está agora esgotada. Para a juventude militante palestiniana que deseja lutar contra o poderoso Estado israelita, os rockets do Hamas parecem fornecer algum tipo de resposta. Esta convicção recebeu um poderoso impulso como resultado dos recentes acontecimentos. 

Não pode haver dúvidas de que o êxito do Hamas, ao romper as defesas israelitas, que se dizia serem invioláveis, e ao desferir golpes contra Israel, foi visto como uma vitória por muitos no mundo árabe, que ansiavam por ver Israel humilhado. 

A curto prazo, isso aumentará enormemente o prestígio do Hamas. Mas, a longo prazo, as limitações do sucesso do Hamas tornar-se-ão demasiado evidentes. A correlação de forças militares é esmagadoramente favorável a Israel. 

A juventude militante concluiu que o único caminho a seguir não é através de conversas, mas através da luta revolucionária. Isso implica ações de massas, greves em massa e, sim, em última análise, a luta contra o Estado de Israel deve significar autodefesa armada e luta armada. 

No entanto, é importante não perder o sentido das proporções. A luta revolucionária das massas palestinianas, enquanto permanecer isolada, não será suficiente para derrotar o poderio do Estado israelita. 

Isso exigirá os esforços combinados de um movimento revolucionário de massas em todo o Médio Oriente. Mas há um enorme obstáculo no caminho: os regimes árabes burgueses reacionários apoiam a causa palestiniana apenas em palavras, mas a cada momento estão dispostos a trair os palestinianos e a fazer um acordo com o imperialismo. 

Só através do derrube destes regimes corruptos se poderá abrir o caminho para a vitória da revolução socialista no Médio Oriente – a condição prévia para a libertação da Palestina. 

Em última análise, só o estabelecimento de uma frente unida entre o povo da Palestina e a classe trabalhadora e as camadas progressistas da sociedade israelita criará a possibilidade de dividir o Estado israelita em linhas de classe, abrindo caminho a uma resolução duradoura e democrática da questão palestiniana. 

Este será um subproduto da revolução árabe, que só poderá ter êxito se for levada a cabo até ao fim. O derrube de regimes corruptos é apenas meia solução. A verdadeira libertação do povo só pode ser alcançada através da expropriação dos latifundiários, banqueiros e capitalistas. 

Revolução socialista – a única solução! 

Durante demasiado tempo, o Médio Oriente, com o seu colossal potencial, recursos naturais e enorme reserva inexplorada de mão de obra excedentária e jovens instruídos, foi balcanizado – uma herança do colonialismo que dividiu a região em pequenos Estados que podiam ser facilmente dominados e explorados. 

Esta herança venenosa tem sido um terreno fértil para guerras intermináveis, ódio nacional e religioso e outras forças destrutivas. A questão palestiniana é apenas a expressão mais evidente e monstruosa deste facto. 

Os trabalhadores não têm interesse em conquistar território estrangeiro ou manter outras pessoas em estado de subjugação. Quando o poder estiver nas mãos dos trabalhadores, todos os problemas que o mundo árabe enfrenta poderão ser resolvidos pacificamente, democraticamente, por acordo. 

Sob uma federação socialista democrática, seria possível estabelecer relações fraternas entre os povos – árabes e judeus, sunitas e xiitas, curdos e arménios, drusos e coptas. Estaria finalmente aberto o caminho para uma resolução duradoura e democrática da questão palestiniana. 

Há terra suficiente para criar um Estado palestiniano genuinamente autónomo, viável e próspero, com total autonomia tanto para árabes como para judeus, à semelhança das repúblicas soviéticas que foram estabelecidas pelos bolcheviques após a Revolução de Outubro. 

As pessoas de mente pequena dirão que isto é uma utopia. Mas as mesmas pessoas sempre defenderam que o socialismo é uma utopia. Estes autointitulados “realistas” agarram-se teimosamente ao status quo, que dizem ser a única realidade possível – apenas com o argumento de que ele existe. 

De acordo com esta “teoria” falida, a revolução é impossível. Mas tudo o que existe merece perecer. E toda a história nos diz que as revoluções não só são possíveis, como inevitáveis. O sistema capitalista está podre até ao fundo. Os seus alicerces estão a desmoronar-se e está a cambalear, como antes de uma queda. 

Tudo o que é necessário é que lhe seja dado um bom empurrão. E não é de todo descartável que isso possa vir de uma nova revolta no mundo árabe. Este é o único caminho a seguir pelos povos do Médio Oriente. A revolução palestiniana triunfará como parte integrante da revolução socialista, ou não triunfará de todo. 

Londres, 11 de outubro de 2023 

Spread the love

About Tendência Marxista Internacional

Check Also

Genocide Image andrea pollio Twitter scale

Eurovisão: manifestações de massas face à hipocrisia imperialista 

Artigo de Karl Kjellin e Ylva Vinberg  O Festival Eurovisão da Canção arrancou a 7 …

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial